Gerenciamento de estresse durante um surto

Durante um surto/fase aguda de um mal estar ou doença, qualquer que seja a condição, é natural que tenhamos um aumento do estresse. A melhoria do quadro dependerá de vários fatores dependendo da sua natureza, mas podemos influenciar diretamente o nosso sistema nervoso para tornar este período menos incômodo ou, em qualquer caso, reduzir os efeitos do estresse no nosso corpo.

Se falamos de gerenciamento do estresse, a ferramenta mais poderosa que temos é mudar o foco da nossa atenção. Veja bem, acontece que o cérebro também se cansa de controlar a dor, a fadiga, a inflamação e suas emoções em relação a tudo isso. Portanto, podemos utilizar ferramentas que nos ajudem a focar nossa atenção em outra coisa, proporcionando também alívio a essa parte da nossa anatomia, ou se preferir, do nosso ser.

Exercícios respiratórios ou pranayamas

a forma mais rápida e eficaz de atuar no nosso sistema nervoso. Ao modificar ativamente o padrão respiratório com um pranayama, estaremos enviando uma mensagem ao nosso cérebro dizendo que está tudo bem, que pode ele pode relaxar. Para isso utilizaremos aqueles respiratórios que tenham exalações longas. Quanto mais, melhor. Sempre dentro do nosso limite de conforto.

Movimentos suaves

a técnica definitiva para eliminar a tensão e o cansaço de ficar em posturas estáticas por muito tempo, devolvendo a circulação aos nossos tecidos, permitindo-nos nutri-los com sangue e energia nova. Se estiver muito cansado, você pode fazer pequenas caminhadas pela casa. Se quiser e puder, pode também fazer algumas posturas de yoga restaurativa ou yoga suave. E o truque de ouro: se durante um surto você tiver que manter repouso, procure usar a cama apenas para dormir. Varie o local de descanso: um sofá, outra poltrona… A mente irá se beneficiar dessa mudança de ambiente e assim sua percepção, e seu corpo agradecerá a mudança postural. Num nível mais profundo, estamos nos condicionando a fazer do quarto/cama um lugar exclusivo para dormir. E será um pouco mais fácil pegar no sono, o que pode ser complicado durante esse periodo.

Meditar

a meditação dá à nossa mente a possibilidade de desligar por um tempo do nosso foco atual, que é o desconforto. Normalmente, durante um surto, ficamos muito atentos às dores, ao cansaço… A meditação dará uma pausa ao nosso cérebro. Lembre-se de que meditar não é sentar e esperar a manter a mente em branco. Você pode optar por observar a chama de uma vela, uma flor, manter a imagem mental da lua, do sol… Algo que não lhe traga emoções, um objeto neutro para o qual voltar sua atenção observando-o. Sem mais delongas, após 3 minutos você já estará capturando efeitos. Se tudo isso for muito difícil, basta prestar atenção na sua respiração, a posição que você escolher é totalmente irrelevante.

Praticar mindfulness

se o que foi dito acima parece muito difícil, você pode tentar manter a atenção por alguns minutos nos sons que ouve ao seu redor, nos cheiros que chegam até você… Se decidir caminhar, preste atenção na sola do pé, qual parte você apoia primeiro, como você percebe a pressão… Mindfulness é manter a atenção no momento presente. Se você tem um hobby, será ainda melhor porque você poderá…

Entrar num estado de fluxo

fluir é se perder em uma atividade que gostamos. Você desenha? Escreve? Toca algum instrumento? Se você tem um hobby vai perceber que, assim que começa a praticá-lo, passam horas sem que você perceba. Você estará praticamente meditando. 🙂

Conversar com alguém

se você não estiver a fim de sair, talvez possa fazer uma ligação pra alguém e conversar um pouco. Tem algum familiar em casa, um colega de apartamento, um pet? Interesse-se pela outra pessoa, não vale reclamar do próprio umbigo! Pratique a empatia, leve sua atenção para o seu interlocutor. Como ele se sente? Você estará levando a sua atenção para algo que não é você, e isso é muito libertador.

Se você quiser aprender algumas das técnicas mencionadas, ficarei feliz em ajudá-lo.
Vamos conversar?

Rolar para cima